EBOLA

Vírus de ebola reaparecido na Libéria é similar ao que circulava antes

A análise genética do vírus do ebola que reapareceu na Libéria confirmou que trata-se da mesma cepa (vírus) que circulava antes na região afetada

  • Vírus de ebola reaparecido na Libéria é similar ao que circulava antes
Vírus de ebola reaparecido na Libéria é similar ao que circulava antes

A análise genética do vírus do ebola que reapareceu na Libéria confirmou que trata-se da mesma cepa (vírus) que circulava antes na região afetada, fato que descartou que alguém possa tê-lo importado da Guiné ou Serra Leoa, disse a OMS na última sexta-feira (10).

Deste modo, as únicas explicações para que o vírus tenha ressurgido depois de três meses na Libéria é que este ficou latente em um sobrevivente e esta mesma pessoa o transmitiu por via sexual, ou que uma transmissão permaneceu sem ser detectada durante meses, disse hoje um porta-voz da Organização Mundial da Saúde (OMS).

A Libéria foi declarada livre de ebola em 9 de maio, após ter transcorrido 42 dias (o dobro do período de incubação conhecido para o vírus) sem nenhum caso desde o último enterro em condições seguras de um morto por ebola.

Os enterros foram um dos maiores focos de contágio durante a epidemia de ebola que surgiu em março de 2014 na Guiné e depois se estendeu à Libéria e Serra Leoa.

O ebola reapareceu na Libéria com o caso de um jovem de 17 anos, cujo corpo testou positivo em 30 de junho e desde então foram registrados outros cinco casos de infectados.

Um total de 149 pessoas foram identificadas como contatos desses casos e estão sendo seguidos de perto.

A detecção destes novos casos ocorreram dentro do período de 90 dias, contados a partir de 9 de maio, durante os quais a Libéria devia manter um alto nível de vigilância e deveriam ser efetuados teste de diagnóstico em todas as pessoas ou mortos com sintomas de ebola (similares aos da malária).

O ebola provocou até agora 11,2 mil mortos na África e os dados da última semana dão conta de cerca de 30 casos nos três países afetados.

Marcados com:
Publicado em Doenças e Tratamentos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Login

Registrar | Perdeu sua senha?