PESQUISA

Vacina terapêutica para HIV reduziu níveis do vírus em animais

Uma nova vacina terapêutica combinada com um estimulante do sistema imunológico conseguiu reduzir os níveis do vírus HIV em animais infectados.

  • Foto: EPA/MICHAEL REYNOLDSFoto: EPA/MICHAEL REYNOLDS
Foto: EPA/MICHAEL REYNOLDS

Uma nova vacina terapêutica, combinada com um estimulante do sistema imunológico conseguiu reduzir os níveis do vírus HIV em animais infectados, em um estudo publicado pela revista “Nature”.

Um grupo liderado por cientistas do Centro Médico Diaconisa Beth Israel (BIDMC), nos Estados Unidos, utilizou esse tratamento combinado para diminuir a carga de DNA viral no sangue periférico e nos nódulos linfáticos de macacos rhesus.

“O objetivo de nosso estudo era identificar uma cura funcional para o HIV. Não se trata de erradicar o vírus, mas de controlá-lo sem necessidade de tratamento antirretroviral“, afirmou Dan Barouch, autor principal do estudo.

Melhora da resposta imune ao HIV

Esse método terapêutico promete melhorar o “alta retardada” do vírus quando um paciente deixa de receber antirretrovirais.

“Os remédios atuais, apesar de salvarem vidas, não curam o HIV. Simplesmente mantêm o vírus controlado. Nós estamos tentando desenvolver estratégias para conseguir uma supressão do vírus no longo prazo, sem antirretrovirais”, indicou Barouch.

As vacinas tradicionais induzem o organismo a se desfazer por si mesmo dos vírus a partir de uma resposta imune.

Esperança de contra-ataque mais efetivo

O HIV ataca as células do sistema imunológico e mata a maioria delas, o que dificulta uma aproximação tradicional para seu tratamento.

Os cientistas estão mirando agora em poucas células imunológicas que permanecem em estado dormente, e que permitem ao vírus se esconder nelas, não sendo atingido pelos antirretrovirais, explicaram à revista “Nature”.

“Pensamos que, se pudermos ativar as células que podem dar cobertura ao vírus, a resposta imune induzida pela vacina poderia ser mais eficiente na hora de detectá-las e destruí-las”, afirmou Barouch, professor na Escola de Medicina de Harvard.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Login

Registrar | Perdeu sua senha?