FITOTERAPIA

Uso de fitoterápicos e plantas medicinais cresce no SUS

A procura no ano passado por terapias mais naturais (fitoterapia) chegou a 16 mil pessoas. Há três anos esse número era de seis mil.

  • Erva-cidreira, um fitoteráptico do dia a diaErva-cidreira, um fitoteráptico do dia a dia
Erva-cidreira, um fitoteráptico do dia a dia

Os brasileiros estão investindo mais em tratamentos à base de plantas medicinais e medicamentos provenientes das mesmas, os fitoterápicos. Entre 2013 e 2015 a busca no Sistema Único de Saúde (SUS) cresceu 161%.

A procura no ano passado por terapias mais naturais (fitoterapia) chegou a 16 mil pessoas. Há três anos esse número era de seis mil.

“Os fitoterápicos têm uma participação importante no mercado de medicamentos porque eles refletem também nossa cultura, nossa tradição e nossa história. E são medicamentos de baixo custo e com que parte da população está habituada, pois aprendeu a usá-los com avós e pais”, afirmou o ministro Ricardo Barros durante o evento que marcou uma década da política no Centro Internacional de Convenções do Brasil (CICB), em Brasília (DF).

Utilidades

A política de estímulo ao uso de fitoterápicos, que completa 10 anos, beneficia atualmente 12 mil pessoas, que fazem uso de medicamentos fitoterápicos industrializados, fitoterápicos manipulados, drogas vegetais e planta medicinal fresca.

O SUS tem medicamentos fitoterápicos disponíveis. Eles são indicados, por exemplo, para uso ginecológico, tratamento de queimaduras, auxiliares terapêuticos de gastrite e úlcera, e artrite e osteoartrite.

De acordo com o Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica (PMAQ), os fitoterápicos mais utilizados na rede pública são o guaco, a espinheira-santa e a isoflavona-de-soja, indicados como coadjuvantes no tratamento de problemas respiratórios, gastrite e úlcera e sintomas da menopausa, respectivamente.

O uso de fitoterápicos na rede pública de saúde busca “garantir à população brasileira o acesso seguro e o uso racional de plantas medicinais e fitoterápicos, promovendo o uso sustentável da biodiversidade, o desenvolvimento da cadeia produtiva e da indústria nacional”.

Investimento

O investimento desde 2012 na Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde passou de R$ 30 milhões em 78 projetos de plantas medicinais e fitoterápicos dentro do SUS.

A pretensão é fortalecer a cadeia produtiva nos municípios e nos estados, especialmente a oferta de fitoterápicos aos usuários do SUS.

31 iniciativas de arranjo produtivo local, 44 de assistência farmacêutica e três de desenvolvimento e registro sanitário de medicamentos fitoterápicos da Relação Nacional de Medicamentos (Rename) por laboratórios oficiais públicos já foram beneficiados com os recursos.

Qualificação

O Ministério da Saúde realizou em 2012 o primeiro curso de Fitoterapia para Médicos. A primeira turma do curso de educação à distância capacitou 300 profissionais de todas as regiões do país. Neste ano, uma segunda turma deverá fazer o curso, com previsão de 600 vagas para médicos de todo Brasil.

“O objetivo é ampliar o conhecimento sobre o tema e sensibilizar profissionais de saúde e população para esta opção terapêutica, permitindo o acesso da população brasileira aos fitoterápicos com eficácia, segurança e qualidade”, explicou o Ministério da Saúde em nota.

Fitoterápicos Disponíveis 

O mercado brasileiro tem vários medicamentos fitoterápicos aprovados e disponíveis para diferentes tipos de enfermidades. Para o Sistema Nervoso Central, por exemplo, são comercializados a Passiflora sp., Valeriana officinalis, Hypericum perforatum, Piper methysticum e Melissa officinalis.

Grupos de pesquisa sobre saúde mental vêm realizando estudos com medicamentos fitoterápicos indicados para tratamentos de doenças psiquiátricas, que já demonstraram, nos estudos preliminares, resultados positivos.

Marcados com: , ,
Publicado em Saúde e Bem-estar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Login

Registrar | Perdeu sua senha?