• HONDURAS SAÚDEHonduras reporta 1º nascimento de bebê com microcefalia associada ao zika
  • (Chamada) SAÚDE ZIKAZika vírus pode permanecer no sêmen mais que o esperado, segundo estudo
  • ZIKA VACINA (Pauta)OMS diz que vacina para zika irá demorar no mínimo 18 meses para ser testada
  • OMS ZIKAOMS recomenda que grávidas adiem viagens para locais com zika
  • OMS ZIKA (Ampliação)OMS: Testes amplos de vacina contra zika só ocorrerão depois de 18 meses
  • (Chamada) OMS ZIKAOMS: Testes amplos de vacina contra zika só ocorrerão depois de 18 meses
  • (Chamada) OMS ZIKAOMS diz que teste de diagnóstico de zika pode estar disponível em semanas
  • AUSTRÁLIA ZIKAAustrália confirma segundo caso de grávida com zika vírus
  • SAÚDE ZIKAAIEA oferece tecnologia à América Latina para detecção antecipada de zika
  • PERU SAÚDEPeru declara emergência em áreas com surto de raiva causada por morcegos
SORO

Pesquisadores brasileiros desenvolvem soro contra picada de abelhas

Os primeiros testes servirão para determinar os efeitos do medicamento e a dose mínima necessária para atingir o efeito desejado.

Soro pode ser solução contra picadas de abelhaSoro pode ser solução contra picadas de abelha

Um grupo de pesquisadores brasileiros desenvolveu um inédito soro contra picadas de abelhas, que começará a ser testado em humanos este ano, após os bem-sucedidos testes em laboratório com o soro.

O soro foi desenvolvido por cientistas do Centro de Estudos de Venenos de Animais Peçonhentos da Universidade Estadual Paulista (Unesp) e do Instituto Vital Brazil (IVB), instituição vinculada ao governo do estado do Rio de Janeiro.

Segundo o diretor científico do IVB, Rafael Cisne, a substância se mostrou efetiva em laboratório no tratamento das picadas de abelhas africanas, as mais comuns na América Latina.

Ele destacou que no Brasil há, em média, 11 mil casos de ataques de abelhas e 140 mortes.

Tratamento

As vítimas atualmente são tratadas somente com anti-inflamatórios e esteróides, o que envolve o risco de choque anafilático.

“O soro desenvolvido é inédito no mundo todo e será a primeira vez que será testado em seres humanos”, afirmou o diretor Rafael Cisne.

Cisne disse que o Instituto já produziu um lote com 1.200 ampolas para os testes clínicos, e que os pesquisadores agora esperam a autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para distribui-las.

Os testes serão realizados com as vítimas de picadas de abelhas que forem atendidos pelas clínicas da Universidade Federal do Triângulo Mineiro, da Universidade do Sul, de Santa Catarina, e da Unesp.

“Pode parecer óbvio, mas não vamos inocular veneno de abelha em ninguém para realizar os testes. Quando ocorrer um incidente com abelhas, ofereceremos o soro para o tratamento. O paciente que decidirá se aceita, e para isso terá que assinar um termo de consentimento autorizando o procedimento”, explicou o especialista.

O soro será fornecido apenas aos pacientes que aceitarem ser voluntários e que tenham sofrido pelo menos cinco picadas.

Os primeiros testes servirão para determinar os efeitos do medicamento e a dose mínima necessária para atingir o efeito desejado.

A fase de experimentos com humanos poderá durar até 18 meses e, se for bem-sucedida, será seguida por outra etapa de provas clínicas, de 30 meses, na qual o soro será distribuído nos postos de saúde.

Um comentário sobre “Pesquisadores brasileiros desenvolvem soro contra picada de abelhas
  1. avatar Dino says:

    Parabéns essa matéria deveria passar no jornal nacional com destaque. Que vocês consigam descobrir novas vacinas e Soros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Login

Registrar | Perdeu sua senha?