AUDIÇÃO

Perda de audição pode levar idosos à depressão e ao isolamento

Negar o problema e evitar situações constrangedoras, algumas pessoas podem se isolar do convívio social, prejudicando a própria vida, afirma especialista.

  • Foto: DivulgaçãoFoto: Divulgação

Sem notar, muitas pessoas podem estar perdendo a audição parcialmente. Àquelas que residem em grandes centros, onde o barulho é contínuo e já está inserido no dia a dia, os riscos podem ser ainda maiores. Embora atinja todas as idades, o fato pode trazer graves consequências principalmente aos idosos, sendo os primeiros sintomas a depressão e o isolamento do convívio social.

Para a médica Geriatra do Hospital Santa Catarina, Márcia Kimura Oka, “é natural, em alguns casos, o idoso negar o problema. Consequentemente, para evitar situações constrangedoras, a pessoa acaba se isolando do convívio social, o que é muito prejudicial”.

A demora em ouvir a campainha ou o telefone tocar e o volume do som da televisão podem ser alguns indicadores para identificar a surdez. “Como a perda de audição acontece de maneira gradual, a pessoa demora a admitir que está com problemas. Com isso, quanto mais tarde for diagnosticada, menores serão as chances de sucesso no tratamento”, lembra a especialista.

Prevenção não é apenas evitar barulho

Para muitas pessoas, o fato de não frequentar locais barulhentos é uma forma de prevenir eventuais problemas de audição. Porém, como explica o doutor Lídio Granato, Otorrinolaringologista do Hospital Santa Catarina, “além de evitar exposição ao barulho, é importante, após os 60 anos, realizar exames auditivos regulares como medida preventiva”.

Neste caso, o paciente realiza exame de audiometria para detectar o tipo e o grau de perda auditiva. “Como o ouvido naturalmente sofre um processo de envelhecimento gradual e a perda de audição se instala de forma lenta e progressiva, é essencial ficar atento a qualquer sintoma”, conclui Granato.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), problemas de audição afetam cerca de 360 milhões de pessoas em todo o mundo. Neste universo, aproximadamente 32 milhões são crianças.

 

Com informações do Hospital Santa Catarina

Marcados com: , , ,
Publicado em Saúde e Bem-estar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Login

Registrar | Perdeu sua senha?