OBESIDADE

OMS faz alerta sobre grande crise de obesidade na Europa em 2030

De acordo com as projeções do escritório europeu do órgão, a maior parte dos países da região registrará um aumento relevante na proporção de pessoas com sobrepeso e com obesidade, tanto entre os homens como entre as mulheres.

  • OMS faz alerta sobre grande crise de obesidade na Europa em 2030
OMS faz alerta sobre grande crise de obesidade na Europa em 2030

A Europa enfrentará uma crise de obesidade de “enormes proporções” em 2030, alertou nesta terça-feira a Organização Mundial de Saúde (OMS).

De acordo com as projeções do escritório europeu do órgão, a maior parte dos países da região registrará um aumento relevante na proporção de pessoas com sobrepeso e com obesidade, tanto entre os homens como entre as mulheres.

Na Irlanda, que lidera a lista, 89% dos homens terão probabilidade de sobrepeso em 2030, contra 74% de 2010, com a proporção de obesos passando de 26% para 48%. No caso das mulheres, o crescimento será de 57% para 87% e de 23% para 57%, respectivamente.

Entre os países que também sofrerão altas significativas estão a Grécia, a Áustria, a República Tcheca e a Espanha, onde o sobrepeso entre os homens passará de 66% para 80%, com o índice de obesidade subindo de 19%, em 2010, para 36% em 2030.

Entre as espanholas, 58% terão problemas de sobrepeso em 2030, contra 48% de duas décadas antes. Outras 21% sofrerão de obesidade, cinco pontos percentuais do que em 2010.

O aumento afetará inclusive países que tradicionalmente sempre tiveram índices baixos, como a Suécia. Poucos dos 53 países europeus registrarão estabilidade nas taxas ou níveis decrescentes. Entre eles, quem se destaca é a Holanda.

A OMS estima que 49% dos holandeses terão sobrepeso e 8% obesidade em 2030, contra 54% e 10% de 2010. Entre as mulheres, a proporção de sobrepeso permanecerá igual, com a obesidade caindo de 13% para 9%.

O estudo apresenta um cenário “preocupante” e destaca a necessidade de reverter a tendência “com urgência”, restringindo o mercado de alimentos não saudáveis e barateando os que fazem bem parasaúde, disse em comunicado Laura Webber, uma das autoras do relatório, divulgado hoje no Congresso Europeu de Obesidade, em Praga, na República Tcheca.

Marcados com: ,
Publicado em Nutrição

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Login

Registrar | Perdeu sua senha?