TESTE

Novo teste é capaz de identificar 87% dos cânceres de origem desconhecida

Um estudo de pesquisa clínica, liderado pelo médico catalão Manel Esteller, criou um teste epigenético de aplicação imediata que identifica 87% dos cânceres de origem desconhecida, o que permite prescrever tratamentos específicos e aumentar a sobrevivência do paciente.

  • Novo teste é capaz de identificar 87% dos cânceres de origem desconhecida
Novo teste é capaz de identificar 87% dos cânceres de origem desconhecida

Um estudo de pesquisa clínica, liderado pelo médico catalão Manel Esteller, criou um teste epigenético de aplicação imediata que identifica 87% dos cânceres de origem desconhecida, o que permite prescrever tratamentos específicos e aumentar a sobrevivência do paciente.

Este avanço científico, publicado na revista “Lancet Oncology”, permitiu desenvolver e validar o primeiro teste de diagnóstico epigenético para pacientes com câncer de origem desconhecida (COD) – um tipo de câncer agressivo que gera metástases antes de o tumor primário aparecer, o que representa um passo fundamental para que seu tratamento possa ser específico e não às cegas.

Teste identifica origem do tumor 

O novo sistema de diagnóstico desenvolvido pela equipe de Esteller, diretor do Programa de Epigenética e Biologia do Câncer do Instituto de Pesquisa Biomédica de Bellvitge (IDIBELL), foi batizado de Epicup e será comercializado no mundo todo pela farmacêutica Ferrer.

A partir de amostras do paciente, este teste poderá determinar, em um prazo de entre cinco e dez dias, a origem do tumor.

Durante cinco anos, a equipe liderada por Esteller estudou marcadores de metilação do DNA (o processo químico que altera a atividade do gene) de 38 tipos de tumor e suas correspondentes metástases com um banco de 10.500 amostras, obtidas em parceria com hospitais de todo o mundo.

“Se o oncologista consegue indicar a origem exata do tumor, pode estabelecer o tratamento específico, o que diminui a toxicidade e aumenta a sobrevivência”, destacou em uma videoconferência Mnel Esteller, professor de pesquisa ICREA e de Genética da Faculdade de Medicina da Universidade de Barcelona.

Nos pacientes diagnosticados com câncer, o mais comum é detectar o tumor primário ou original e a presença ou não de metástases – as células do tumor original que escaparam de seu lugar de nascimento e crescem em outro tecido do paciente, distante de sua origem.

No entanto, entre 5% e 10% dos tumores humanos aparecem de outra forma, em que se diagnostica a metástase, mas o tumor primário não é detectado mesmo com vários testes, que até agora só conseguiam localizar no máximo 25% dos casos.

Diagnóstico preciso significa tratamento mais efetivo

O teste Epicup é uma potente ferramenta que permite identificar o tumor primário -cólon, mama, pâncreas, etc – em pacientes com câncer de origem desconhecida, e assim, acelerar o processo diagnóstico e a escolha de um medicamento específico para o tipo de tumor.

“Agora o paciente não será tratado às cegas, mas poderá receber um tratamento muito mais específico para esse tipo de tumor”, destacou Esteller, que sublinhou que proporcionar um tratamento específico permitiria dobrar a sobrevivência dos pacientes. “Acelerar o diagnóstico e identificar o tumor primário é a melhor estratégia para determinar uma opção terapêutica específica e eficiente”.

Através do sistema epigenético, a equipe de Esteller descobriu que podem determinar a origem da metástase comparando-a com um perfil da base de dados obtida a partir das 10.500 amostras analisadas.

“Foi há poucos anos que começamos a saber mais sobre os padrões químicos que regulam a atividade dos genes (o epigenoma), que são específicos do tecido. Por exemplo, são diferentes em uma célula do pâncreas e do pulmão”, indicou.

“Quando agora estudamos o DNA da metástase de um paciente com tumor de origem desconhecida, a fotografia de seu epigenoma pode nos dizer que pertence à família do câncer de pâncreas, de pulmão, de cólon, de mama…, ou seja, um diagnóstico da origem desse tumor”, apontou.

O estudo se baseou em dados de indivíduos com 63 anos em média, 56% de homens e 44% de mulheres, com prognósticos tumorais mais frequentes com origem no câncer de pulmão, cabeça e pescoço, de mama, cólon, fígado e pâncreas.

Marcados com: ,
Publicado em Ciência Médica

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Login

Registrar | Perdeu sua senha?