Novo remédio contra leucemia pode evitar quimioterapia

Novo tratamento contra a leucemia linfática promete ser menos agressivo que quimioterapia.

  • Novo remédio contra leucemia pode evitar quimioterapia
Novo remédio contra leucemia pode evitar quimioterapia

A leucemia linfática crônica caminha para um futuro sem quimioterapia, graças aos avanços em um novo tratamento biológico, muito menos agressivo e de grande tolerância, que torna a doença “crônica”, garantindo uma excelente qualidade de vida aos pacientes.

A leucemia linfática crônica ataca a medula óssea e os órgãos do sistema linfático, e atinge 3,7 a cada 100 mil pessoas, o que faz com que quase metade dos doentes não possa se aproveitar do tratamento padrão com quimioterapia, que é mais agressivo e tóxico.

Alternativa à quimio

O médico Francesc Bosch, chefe de serviço de Hematologia do Hospital Vall d’Hebron de Barcelona, que explicou que um terço dos pacientes não precisou do tratamento quimioterápico por apresentar uma evolução “muito tranquila”.

Em outro terço dos diagnosticados, a doença também tem uma evolução sem dor, mas progride e exige tratamento, enquanto o resto já tem o grau agressivo.

Para estes dois últimos grupos, ibrutinib, um inibidor da tirosina quinase de Bruton (BTK), necessária para o amadurecimento das células envolvidas em alguns cânceres hematológicos, já se apresenta como uma alternativa à quimioterapia.

Tratamento ainda pouco acessível

O medicamento, recentemente ampliado a pacientes que não foram previamente tratados, permite controlar a doença com um perfil de segurança muito maior, “pode ser dado a todo o mundo, independentemente da idade, com uma taxa de eficiência muito alta”.

Seus inconvenientes são o preço (nos Estados Unidos é de US$ 6 mil por mês) e “algumas toxicidades peculiares”, comentou Bosch, embora a porcentagem de pacientes intolerantes seja muito baixa.

O estudo Resonate II apresentou seus resultados atualizados na 58ª reunião da Sociedade Americana de Hematologia, que reúne 27 mil especialistas na cidade americana de San Diego, na Califórnia, até esta terça-feira.

O que é leucemia

A leucemia é a produção descontrolada de glóbulos brancos, o que interfere no funcionamento da medula óssea, já que diminui progressivamente a produção de células normais, ocasionando anemia, infecções e hemorragias.

Ela pode aguda ou crônica, dependendo da velocidade de reprodução das células. A leucemia linfoblástica aguda, mais comum em crianças e jovens; a leucemia mieloblástica aguda, mais frequente em adultos; e as leucemias crônicas, também mais comum em adultos maduros.

Os sintomas iniciais são, em geral, perda de peso, fadiga, infecções e hemorragias. Ainda não se sabe porque ela surge, mas pesquisadores suspeitam que ela possa estar relacionada a alguns vírus, e a fatores genéticos e ambientais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Login

Registrar | Perdeu sua senha?