FELICIDADE

Neurocientistas acham vínculo entre generosidade e felicidade

Todas as sociedades e culturas valorizam o comportamento generoso, mas a teoria econômica sempre fracassou quando o assunto era explicar a generosidade envolvendo investir os próprios recursos em benefício do outro.

  • EFE/Rungroj YongritEFE/Rungroj Yongrit
EFE/Rungroj Yongrit

A interação entre as áreas do cérebro responsáveis pela generosidade e a felicidade explicaria por que uma pessoa é altruísta inclusive quando isso envolve um custo pessoal, revelou uma pesquisa da Universidade de Lubeck, na Alemanha, publicada na revista científica “Nature“.

Todas as sociedades e culturas valorizam o comportamento generoso, mas a teoria econômica sempre fracassou quando o assunto era explicar a generosidade envolvendo investir os próprios recursos em benefício do outro. A psicologia, no entanto, já tinha sugerido que o motivo para o comportamento altruísta é o aumento que a felicidade provoca, mas não oferecia um entendimento do mecanismo dos processos neurais que os vinculam.

Para investigar esses processos do cérebro, a professora Soyoung Park, do Departamento de Psicologia da Universidade de Lubeck, dirigiu um estudo que analisou a atividade cerebral de 50 participantes. Os voluntários receberam uma quantidade de dinheiro durante quatro semanas: 25 deles foram instruídos a gastar em benefício próprio, a outra metade foi orientada a gastar com outra pessoa.

Os pesquisadores descobriram que os participantes que usaram o seu dinheiro com outros também se mostraram mais generosos na hora de realizar tarefas independentes e seus cérebros mostraram mais atividade em uma área vinculada ao sentimento de felicidade.

Através de imagens de ressonância magnética foi possível descobrir que as decisões generosas envolviam mais a área cerebral conhecida como junção têmporo-parietal e modulavam a conectividade entre essa região e o núcleo estriado relacionado com a mudança na felicidade. De fato, algumas lesões no núcleo estriado foram associadas a casos de “generosidade patológica” e falência pessoal, sugerindo que essa área estaria encarregada de inclinar a balança para o interesse próprio em situações em que o altruísmo demanda um custo pessoal.

As conclusões do estudo poderiam ter importantes implicações não só na neurociência, mas na educação, na política, na economia e na saúde, já que, atualmente, de acordo com os pesquisadores, a sociedade subestima os benefícios sociais e individuais do comportamento generoso e superestima o efeito em dos motivos egoístas para alcançar a felicidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Login

Registrar | Perdeu sua senha?