HERPES

Modificação do vírus do herpes destrói células do câncer de pele, diz estudo

O estudo, divulgado nesta quarta-feira no Reino Unido, revela que este tratamento, além de destruir as células cancerígenas da pele, ativa e estimula o sistema imunológico contra os tumores.

  • Modificação do vírus do herpes destrói células do câncer de pele, diz estudo
Modificação do vírus do herpes destrói células do câncer de pele, diz estudo

Um tratamento viral composto pelo vírus do herpes modificado com engenharia genética impede a evolução do câncer de pele e destrói suas células, segundo um estudo do Instituto de Pesquisa do Câncer de Londres.

O estudo, divulgado nesta quarta-feira no Reino Unido, revela que este tratamento, além de destruir as células cancerígenas da pele, ativa e estimula o sistema imunológico contra os tumores.

Os pesquisadores estudaram 436 pacientes que apresentavam melanomas agressivos e inoperáveis. Esses foram divididos em grupos e receberam respectivamente uma injeção do tratamento viral chamada “Talimogene Laherparepvec” (T-VEC) e um tratamento de controle.

De acordo com o estudo, 16,3% do grupo que recebeu o tratamento viral T-VEC desenvolveu uma resposta positiva ao tratamento durante mais de seis meses, mais que os 2,1% dos que receberam o tratamento de controle.

A pesquisa foi comandada por cientistas do The Institute of Câncer Research (ICR) de Londres, que coordenou mais de 64 centros de pesquisa em nível mundial, entre eles a Universidade de Oxford.

As respostas mais enfáticas ao tratamento foram em pacientes nos quais o câncer estava em seus primeiros estágios e naqueles que ainda não tinham recebido nenhum tipo de tratamento.

Um dos pesquisadores, o professor do ICR, Kevin Harrington, ressaltou que “há um interesse crescente nos tratamentos virais contra o câncer, já que estes agem contra a doença de duas formas diferentes: destruindo as células cancerígenas e ativando o sistema imunológico contra o tumor”.

“Além disso, como o tratamento viral ataca as células cancerígenas de maneira específica, há menos efeitos secundários que outros métodos tradicionais”, detalhou Harrington.

O professor e diretor-executivo do ICR, Paul Workman, afirmou que “pensamos nos vírus como os inimigos da humanidade, mas é sua habilidade para infectar e destruir células humanas o que os faz tão promissores nos tratamentos contra o câncer”.

“É emocionante ver o potencial do tratamento viral e há esperança de que estes tratamentos sejam mais efetivos no futuro juntos a outros remédios contra o câncer para obter o controle e a cura da doença a longo prazo”, relatou Workman.

Marcados com: , , ,
Publicado em Ciência Médica

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Login

Registrar | Perdeu sua senha?