PLANOS DE SAÚDE

Ministro de saúde quer desafogar o SUS com “planos de saúde populares”

A proposta é implantar planos de saúde mais baratos para quem pode pagar a fim de “dar um alívio” no SUS, segundo Ricardo Barros

  • BRA38 BRASILIA (BRASIL), 12/05/16.- Ricardo Barros, nuevo ministro brasileño de Salud, asiste hoy, 12 de mayo de 2016, al primer pronunciamiento de MBRA38 BRASILIA (BRASIL), 12/05/16.- Ricardo Barros, nuevo ministro brasileño de Salud, asiste hoy, 12 de mayo de 2016, al primer pronunciamiento de Michel Temer tras sustituir a Dilma Rousseff en Brasilia. Barros, senador e ingeniero civil, asumirá un sector en crisis, con graves deficiencias presupuestarias y las amenazas de los virus zika, dengue y chikunguña. EFE/Antonio Lacerda
BRA38 BRASILIA (BRASIL), 12/05/16.- Ricardo Barros, nuevo ministro brasileño de Salud, asiste hoy, 12 de mayo de 2016, al primer pronunciamiento de M

O ministro de saúde do Brasil, Ricardo Barros, defendeu hoje diante de empresários e representantes do setor médico a proposta de “desafogar” o Sistema Único de Saúde (SUS) do país com a criação de planos de saúde populares, isto é, qmais baratos para a população.

Segundo o ministro, “o SUS precisa de um alívio” e a ação pode gerar um enxugamento nos gastos do sistema para otimizar a gestão federal da pasta.

“Quero mais recursos para a saúde, mas não estou confortável em pedir mais dinheiro com essa crise”, falou no evento organizado pela LIDE, em um hotel em São Paulo.

Barros descartou privatizar o SUS, já que a gratuidade do sistema é garantida na Constituição Federal, mas citou que o Supremo Tribunal Federal (STF) está discutindo o alcance do sistema e se de fato o SUS deve ser “para todos?”.

Barros já publicou portaria para implementar o “Plano de Saúde Acessível”, na última sexta (05/08), a qual procura flexibilizar as normas da Agência Nacional de Saúde (ANS), que deve ser finalizada em até 60 dias. A portaria propõe planos mais baratos, mas com alcance menor do que definido na lista obrigatória de atendimento aos pacientes.

Marcados com: ,
Publicado em Sem categoria

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

EFEEmprende_BannerV2-2

EFEEmprende_BannerV2-2

O ministro de saúde do Brasil, Ricardo Barros, defendeu hoje diante de empresários e representantes do setor médico a proposta de “desafogar” o Sistema Único de Saúde (SUS) do país com a criação de planos de saúde populares, isto é, qmais baratos para a população.

Segundo o ministro, “o SUS precisa de um alívio” e a ação pode gerar um enxugamento nos gastos do sistema para otimizar a gestão federal da pasta.

“Quero mais recursos para a saúde, mas não estou confortável em pedir mais dinheiro com essa crise”, falou no evento organizado pela LIDE, em um hotel em São Paulo.

Barros descartou privatizar o SUS, já que a gratuidade do sistema é garantida na Constituição Federal, mas citou que o Supremo Tribunal Federal (STF) está discutindo o alcance do sistema e se de fato o SUS deve ser “para todos?”.

Barros já publicou portaria para implementar o “Plano de Saúde Acessível”, na última sexta (05/08), a qual procura flexibilizar as normas da Agência Nacional de Saúde (ANS), que deve ser finalizada em até 60 dias. A portaria propõe planos mais baratos, mas com alcance menor do que definido na lista obrigatória de atendimento aos pacientes.

Login

Registrar | Perdeu sua senha?