JAPÃO PESQUISA

Método de detecção de câncer com precisão de 90% é criado no Japão

A nova técnica requer só uma pequena amostra de sangue e consiste na medição e comparação dos níveis de 17 tipos de oligoelementos no plasma sanguíneo.

  • EFE\ ArquivoEFE\ Arquivo
EFE\ Arquivo

Pesquisadores do Japão desenvolveram um teste sanguíneo para detectar câncer e identificar o tipo de tumor com uma precisão de quase 90%, índice superior ao atual para achar marcadores de tumores cancerígenos de próstata e de cólon e do reto.

A criação do método é obra dos centros em Chiba e Kanagawa (ao leste e sul de Tóquio) do Instituto de Pesquisa do Câncer e do fabricante tecnológico Renatech que, se baseando em uma máquina de produção de semicondutores, desenvolveram um equipamento capaz de medir oligoelementos no sangue, informou neste domingo o jornal japonês “Asahi”.

A nova técnica requer só uma pequena amostra de sangue, o que alivia a carga física dos pacientes em relação a outros testes, e consiste na medição e comparação dos níveis de 17 tipos de oligoelementos no plasma sanguíneo, como sódio, ferro e zinco, cuja concentração varia segundo o tipo de carcinoma.

Utilizando o dispositivo, os cientistas analisaram o soro de 960 pacientes com câncer de pâncreas, próstata, cólon e do reto, mama e útero, assim como o de 550 indivíduos saudáveis, conseguindo identificar o tipo de tumor com uma precisão próxima a 90%.

Este índice de acerto é maior que o dos métodos existentes para detectar marcadores de tumores de próstata e cólon, entre 25% e 50%, disseram os pesquisadores, que esperam que o novo método ajude, além disso, a melhorar a detecção de carcinomas uterinos, de mama e pâncreas, para os quais não se têm estabelecido ainda marcadores definitivos, o que complica a sua descoberta.

Além dos tipos de câncer anteriormente citados, a equipe de cientistas está fazendo pesquisas com cânceres de estômago, pulmão, ovário e de outros tipos, com o objetivo de que o método seja capaz de detectar no futuro de oito a dez carcinomas.

Os pesquisadores esperam obter a aprovação correspondente das autoridades para comercializar o novo dispositivo médico em 2019, “após realizar testes em mais pacientes (…) e fazer testes clínicos”, segundo o diretor do centro de pesquisa em Chiba, Hiroki Nagase, ao jornal japonês.

Marcados com: , , ,
Publicado em Doenças e Tratamentos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Login

Registrar | Perdeu sua senha?