OBESIDADE

Mais de 50% da população brasileira está com sobrepeso

Doença é responsável por comorbidades que correspondem a 72% dos óbitos no país

  • mas infoCHE07 CHENNAI (INDIA) 05/12/2009.- Un muchacho con sobrepeso participan en una manifestación convocada por la Fundación contra la Obesidad de la India en la playa de Marina en Chennai (India) hoy, sábado, 5 de diciembre de 2009, para concienciar a la sociedad sobre los peligros de la obesidad bajo el lema "La obesidad es un peligro para la salud". La Organización Mundial de la Salud señaló que 1.200 millones de personas en todo el mundo sufren de sobrepeso y particularmente en la India más del 25 por ciento de la población sufre este problema. EFE/Nathan G. EFE/Nathan G. EFE/Nathan G.
 EFE/Nathan G.

Nos últimos 10 anos, o número de brasileiros obesos aumentou em 60% e mais da metade da população está acima do peso, segundo dados do Ministério da Saúde. Hoje, a cada cinco brasileiros, um está obeso. A Organização Mundial de Saúde (OMS) aponta a obesidade como um dos maiores problemas de saúde pública no mundo: a projeção é que, até 2025, mais de 700 milhões de adultos estejam obesos e cerca de 2,3 bilhões com sobrepeso.

A endocrinologista Juliana Ferreira de Oliva e a nutricionista Patricia Rondello Mariano Silvestre, que integram o corpo clínico da NotreDame Intermédica esclarecem que, para diminuir e reverter este quadro, é preciso primeiro que as pessoas entendam que a obesidade é fator de risco para doenças crônicas, como hipertensão, diabetes, doenças cardiovasculares e câncer. “Estas e outras doenças crônicas correspondem por 72% dos óbitos no país”, conta a Dra. Juliana.

Já a nutricionista Patricia Rondello revela um outro grave problema: hoje a nutrição está banalizada. “Com poucos cliques, qualquer pessoa tem acesso a diferentes dietas “milagrosas” na internet. Invariavelmente, estas pessoas acabam se frustrando e só aí percebem que precisam da ajuda de um especialista. É importante respeitarmos as particularidades de cada pessoa durante o processo de perda de peso e busca por uma vida mais saudável”. 

Além do Índice de Massa Corpórea, é importante identificar também a chamada obesidade visceral, ligada diretamente ao tamanho da cintura.

As profissionais citam a genética, o sedentarismo e a alimentação como os três principais fatores de risco para a obesidade. Outros fatores como os hormonais, psicológicos, medicamentos, qualidade do sono e parada do tabagismo também podem contribuir para o início ou agravamento da doença.

Procurar ajuda de profissionais qualificados é a melhor decisão quando o assunto é o tratamento da obesidade. Os resultados podem ser potencializados se o paciente for atendido por uma equipe multiprofissional. Na base da pirâmide do tratamento para obesidade estão a reeducação alimentar, a mudança de hábitos e comportamentos e realização de atividade física.

Dependendo do caso, pode ser incluído neste processo o tratamento farmacológico, com a recomendação de medicamentos específicos para cada paciente. Segundo a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), o paciente deve primeiramente tentar perder peso com a alteração nos hábitos alimentares e com a prática de exercícios físicos. Se passados dois anos com falha na redução de peso, o paciente deve procurar um médico para avaliar se preenche os requisitos para a realização da cirurgia bariátrica.

A principais consequências da obesidade são problemas cardíacos, apneia do sono, Acidente Vascular Encefálico (AVC), aterosclerose, hipertensão arterial, diabetes, distúrbios psicológicos e problemas articulares. Além dos problemas de saúde, a obesidade acaba comprometendo também as atividades mais básicas do dia a dia. “Coisas simples, como subir um pequeno lance de escadas ou simplesmente brincar com os filhos, acabam sendo tarefas muito árduas”, lembra a Dra. Juliana.

Prevenção

Buscar ajuda profissional somente quando o problema de saúde aparece, continua sendo um dos grandes desafios. “Assim como o hábito de se alimentar adequadamente, o acompanhamento médico deveria ser uma rotina”, revela a Dra. Juliana de Oliva. Atenção também com a saúde mental. “Tenha o hábito de desestressar-se frequentemente por meio de atividades que lhe tragam prazer. E lembre-se sempre de dedicar um tempo à você mesmo”, orienta.

A prevenção e o controle da obesidade necessitam de mudança de comportamentos, ou seja, de  hábitos e estilo de vida. “Muitas vezes não adianta apenas a pessoa ir três vezes por semana na academia, se outros hábitos corriqueiros não forem ajustados. A prática de atividade física deve ser feita regularmente. Isso inclui, por exemplo, dar preferência por utilizar as escadas em seu local de trabalho e realizar percursos à pé sempre que possível”, alerta a endocrinologista da NotreDame Intermédica.

 

Voz de especialista: As 5 dicas de reeducação alimentar pela nutricionista Patricia Rondello

  • Não existem alimentos proibidos. Existem, porém, aqueles que não devem ser consumidos constantemente, como frituras, industrializados e aqueles com excesso de açúcar ou gordura aparente.
  • Comece pela limpeza de seu organismo consumindo muita água. A recomendação da Organização Mundial de Saúde é que se consuma 2 litros de água por dia.
  • Não pule as refeições. Café da manhã, almoço e jantar são as mais importantes.
  • Faça lanches intermediários. Este hábito irá ajudar a consumir uma quantidade menor de comida e escolher os alimentos certos nas principais refeições.
  • Mastigue lentamente. A mastigação é muito importante no processo de reeducação alimentar. Tente realizar as refeições principais em, pelo menos, 20 minutos. Mastigando lentamente, a sensação de saciedade aparecerá mais rápido e, consequentemente, a quantidade ingerida será a ideal para aquele momento.

Oficinas de Saúde

Estes cuidados foram apresentados no dia 6 de junho, nas “Oficinas de Saúde”; um encontro promovido mensalmente pelo Grupo NotreDame Intermédica em suas Unidades de Medicina Preventiva. Nestas oportunidades, beneficiários e convidados participam de palestras com especialistas em diferentes áreas. A próxima Oficina de Saúde está programada para o dia 4 de julho e abordará o tema: “Saúde mental: depressão, ansiedade e estresse – mente sã, corpo são”.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Login

Registrar | Perdeu sua senha?