ALZHEIMER

Genes da esquizofrenia protegem do mal de Alzheimer, diz estudo

O estudo foi liderado pela Universidade de Pittsburgh (EUA) e foi feito com a análise de seis mil mostras de DNA de pacientes de Alzheimer, das quais 1,2 mil foram fornecidas pela fundação de Barcelona.

  • Genes da esquizofrenia protegem do mal de Alzheimer, diz estudo
Genes da esquizofrenia protegem do mal de Alzheimer, diz estudo

Os genes da esquizofrenia protegem do mal de Alzheimer com prognóstico mais grave, que é o que apresenta sintomas psicóticos, segundo um estudo internacional do qual participou a Fundação ACE (Barcelona Alzheimer Treatment & Research Center).

O estudo foi liderado pela Universidade de Pittsburgh (EUA) e foi feito com a análise de seis mil mostras de DNA de pacientes de Alzheimer, das quais 1,2 mil foram fornecidas pela fundação de Barcelona.

O estudo, publicado na revista científica “Molecular Psychiatry”, do grupo editorial “Nature Publishing Group”, constata a existência de uma determinada combinação de genes ligados à esquizofrenia que protegem seu portador de sofrer do Alzheimer mais grave: o Alzheimer com psicose.

A pesquisa parte de uma tese prévia que demonstra que 61% dos fatores que produzem a psicose são genéticos e seu objetivo é identificar os mecanismos que agravam este tipo de demência.

Segundo um comunicado da Fundação ACE, as causas que explicariam esta descoberta ainda não são conclusivas, embora uma das teorias atribua a uma mudança de comportamento dos genes, em diferentes épocas da vida ou no contexto de doenças diferentes.

O Alzheimer com psicose é, neste momento, a demência com pior prognóstico, pois o desenvolvimento da doença é mais rápido, o transtorno de conduta se aguça, a expectativa de vida se reduz e a possibilidade de ter que internar o paciente é maior.

Esta variante, que afeta mais de 40% das pessoas com Alzheimer, foi objeto de estudo em várias ocasiões por parte dos cientistas a fim de averiguar qual é o mecanismo que produz a ferocidade deste tipo de demência.

Tradicionalmente, acreditava-se que o portador dos genes de Alzheimer era também portador de alguns genes de psicose, uma teoria que parece estar descartada a partir dos estudos genéticos, segundo a fundação.

Com os resultados desta pesquisa, abre-se agora uma nova oportunidade para realizar ensaios clínicos que apontem nesta mesma direção para reconsiderar o efeito dos antipsicóticos no tratamento desta variante do Alzheimer.

Os cientistas têm o propósito de ampliar este estudo em um futuro com a análise de um maior número de mostras.

Marcados com: ,
Publicado em Doenças e Tratamentos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Login

Registrar | Perdeu sua senha?