PESQUISA

Estudo brasileiro identifica maior prevalência de problemas urinários em mulheres

Divulgado nesta quarta-feira (30), o Brasil Luts, é o primeiro estudo epidemiológico sobre incidência e permanência de doenças urológicas no Brasil

  • Estudo brasileiro identifica maior prevalência de problemas urinários em mulheres
Estudo brasileiro identifica maior prevalência de problemas urinários em mulheres

Após entrevistas com cinco mil pessoas, um estudo brasileiro divulgou hoje que há maior prevalência de sintomas e problemas urinários em mulheres com ou mais de 40 anos. No total, cerca de 65% da população brasileira apresenta algum sintoma ou problema no sistema urinário.

Divulgado nesta quarta-feira (30), o Brasil Luts, é o primeiro estudo epidemiológico sobre incidência e permanência de doenças urológicas no Brasil, sendo a primeira investigação científica deste tipo na América Latina, conduzida pela farmacêutica japonesa Astellas.

Os dados mostraram que incômodos urinários são muito prevalentes do Brasil, algo que até então a comunidade científica não tinha registro, a não ser dos pacientes e casos clínicos identificados. Já houve relatórios regionais sobre sintomas e problemas do sistema urinário, mas nenhum de abrangência nacional e preventiva.

A pesquisa conduzida pelos médicos Roberto Soler, Cristiano Mendes Gomes e Marcio Averbeck e contatou amostras da homens e mulheres com 40 anos ou mais de cinco capitais brasileiras, Belém, Recife, Goiania, São Paulo e Porto Alegre, escolhidas a partir dos estudos regionais que identificaram anteriormente problemas urológicos na população. Dos entrevistados, apenas 30% já eram pacientes, já que o objetivo da pesquisa era descobrir pessoas que ainda não procuraram o médico.

“O estudo epidemiológico é uma conscientização para a comunidade médica e para direcionar o desenvolvimento de políticas públicas para tratamentos”, disse Cristiano, que também é urologista no Hospital das Clínicas e no Sírio Libanês.

Os especialistas enfatizaram que o banco de dados poderá gerar sub-análises para auxiliar médico, paciente e estimular criação de políticas governamentais para o tratamento das doenças urinárias.

Dados

De homens acima de 40 anos praticamente metade fala que tem um sintoma urinário e cerca de 70% das mulheres também tem um sintoma. Identificou-se alta prevalência dos sintomas e alta taxa de incômodo urinário. Dos sintomas que mais acometem homens estão a frequência de micções e as idas noturnas ao banheiro, além do gotejmento terminal e jato fraco. Já nas mulheres, os sintomas estão correlacionados com a bexiga hiperativa.

O estudo também identifica como as principais formas de incontinência urinária que acometem 45,5% das mulheres e 14,7% dos homens.

“Como a incontinência é um dos fatores que mais incomodam, é mais possível que o número de bexiga hipertativa registrado seja maior em mulheres, já que este sintoma incomoda mais a ala feminina e isso leva a uma procura mais rápida pela ajuda médica”, explicou Roberto Soler, um dos responsáveis pelo estudo.

Para ele, a maior preocupação do estudo é a qualidade de vida do paciente, que será o impulso para procurar tratamentos.

Prevenção

Tudo que serve para prevenir doenças cardiovasculares e câncer servem para a prevenção do tratamento urinário, como controle de peso, diabetes, hipertensão e hábitos alimentares saudáveis.

Tratamento

Cerca de 70% dos homens não procuram tratamento e quase 60% das mulheres também não o fazem.

“Considerando que a prevalência dos sintomas e impacto na qualidade de vida é tão alto, esperávamos que a procura por tratamentos seria maior”, apontou Soler.

Já a satisfação de quem procurou tratamento é mais alta, sendo aproximadamente 70% de homens e mulheres.

“Uma das probabilidades dos pacientes não procurarem tratamento está associado ao fato de pensar ser um problema da velhice, ter medo de encontrar doenças piores e acesso ao tratamento”, indicou o médico.

Distúrbios da micção?

São causados pelo enchimento vesical ou acomodação da urina, que normalmente tem contrações a medida que reserva a urina.

A bexiga “normal” tem capacidade de reservar até meio litro. Se aos 100 mililitros houver dores provenientes da incapacidade de reservar, isso é um indício de algum distúrbio.

O que é normal?

  • Intervalo entre as micções
  • Volume urinado por micção – 300 a 500 ml
  • Volume urinado nas 24 horas do dia
  • Capacidade de postergar a micção
  • Acordar para urinar
  • Jato urinário

 

Marcados com: , , ,
Publicado em Saúde de Gênero

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Login

Registrar | Perdeu sua senha?