ALARDE DO ZIKA

Especialistas: “Vírus como da zika são frequentes; alarme deve ser diminuído”

Vírus como o zika se espalham e evoluem muito rápido, além de serem dinâmicos, por isso é preciso relativizar o medo global.

  • mas infoACOMPAÑA CRÓNICA: BRASIL ZIKA. BRA68. PIRACICABA (BRASIL), 27/01/2016.- La supervisora de producción de la empresa inglesa Oxitec, Karla Tepedino, observa mosquitos modificados genéticamente, este martes, 26 de enero de 2016, en Piracicaba, estado de Sao Paulo (Brasil). Una legión semanal de 800.000 mosquitos transgénicos combate en la ciudad brasileña de Piracicaba el Aedes aegypti, un transmisor del dengue y el zika que ha puesto en jaque a las autoridades sanitarias de Brasil y otros países de Latinoamérica. Los mosquitos transgénicos, cuya comercialización todavía está pendiente de aprobación por parte de los órganos reguladores, se aparejan en libertad con las hembras salvajes y transmiten el "gen letal" a sus descendientes, por lo que la nueva generación de mosquitos muere antes de llegar a la fase adulta, disminuyendo así su población. EFE/Sebastião MoreiraEspecialistas: “Vírus como da zika são frequentes; alarme deve ser diminuído”
Especialistas: “Vírus como da zika são frequentes; alarme deve ser diminuído”

Especialistas em doenças infecciosas e em microbiologia clínica afirmaram nesta quinta-feira que os vírus como os que causam zika e enterite convivem com os humanos, são frequentes e só afetam gravemente uma pequena parte da população, por isso que pediram a diminuição do alarme social criado.

Mais de 1.400 especialistas participam desde esta quinta-feira em Barcelona do 20º Congresso Anual da Sociedade Espanhola de Doenças Infecciosas e Microbiologia Clínica (Seimc), onde debaterão sobre as novas doenças infecciosas emergentes e sua resistência aos antibióticos.

“Os vírus se espalham muito rápido, são dinâmicos e evoluem”, explicou o presidente do Seimc, Rafael Cantó, lembrando também que o alarme criado pelos últimos casos de zika é grande demais porque os casos graves só afetam uma pequena parte da população.

Cantó detalhou que “as ondas epidêmicas de micro-organismos são de período estacional”, ou seja, variam segundo as estações e sua aparição não depende de um único fator.

Os enterovírus são um tipo de vírus que circulam amplamente entre a população, especialmente em crianças, causam majoritariamente quadros leves (febre, mal-estar e erupções cutâneas), frequentemente são infecções assintomáticas e em sua maioria não provocam alterações neurológicas.

No entanto, o subtipo mais grave do vírus causou um quadro de tetraplegia em uma menina em Barcelona.

Em relação a este surto, Jordi Villa, microbiólogo e presidente do comitê científico do Congresso, comentou que “há mais de cem” tipos deste vírus que afetam continuamente as crianças, sem desenvolver gravidade.

Tanto o infectólogo e vice-presidente do Seimc, José Miguel Cisneros, como o presidente do comitê organizador, José María Miró, insistiram na prevenção perante um possível contágio de vírus da zika ou de outros vírus transmitidos por mosquitos.

Marcados com: ,
Publicado em Ciência Médica

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Login

Registrar | Perdeu sua senha?