HIV

Cuba identifica variação do HIV que desenvolve a aids mais rápido

Um estudo realizado no Instituto de Medicina Tropical Pedro Kourí (IPK), em Havana, revelou a diferença entre pacientes infectados com o HIV que demoravam entre oito e dez anos para desenvolver a doença, enquanto em outros o período era de apenas três anos.

  • mas infoepa01347704 A male nurse prepares a antiretroviral HIV drug for orphan children who are living with HIV/Aids at Mercy Centre for HIV/Aids patients in Bangkok, Thailand, 04 May 2007. May 20 marks the 25th anniversary of the publication in the journal Science of a report from Dr. Luc Montagnier and colleagues in Paris that they had isolated what they believed to be the cause of AIDS: the Human Immunodeficiency Virus (HIV). Today, the search for a vaccine continues. EPA/RUNGROJ YONGRITCuba identifica variação do HIV que desenvolve a aids mais rápido
Cuba identifica variação do HIV que desenvolve a aids mais rápido

Autoridades do setor da saúde de Cuba identificaram pacientes infectados com uma variação do vírus HIV que desenvolve a aids com mais rapidez, segundo disseram à televisão estatal.

Um estudo realizado no Instituto de Medicina Tropical Pedro Kourí (IPK), em Havana, revelou a diferença entre pacientes infectados com o HIV que demoravam entre oito e dez anos para desenvolver a doença, enquanto em outros o período era de apenas três anos.

A especialista do instituto, Vivian Kourí, explicou que foram estudados três grupos de pacientes e pela primeira vez foi encontrada a associação de uma variação do HIV que circula em Cuba, chamada CRF19, com rápida progressão da aids.

A pesquisa indica que essa variação do HIV é de origem africana, mas relativamente frequente em Cuba e predominante entre 17% e 19% dos pacientes.

Segundo a especialista, nenhum dos infectados com essa cepa ou as outras duas que circulam pela ilha foi associado a “uma resistência maior” ao tratamento com remédios retrovirais e todos tinham a mesma possibilidade de ter o tratamento efetivo.

No entanto, o anúncio pela televisão advertiu que o rápido desenvolvimento da aids desta variação do HIV “aumenta o risco” de os pacientes adoecerem inclusive antes de saber que estão infectados com o vírus.

Em Cuba, foram diagnosticados quase 22 mil casos de pessoas soropositivas desde o início da epidemia do HIV, em 1986, e mais de 18 mil vivem com a doença, de acordo com dados oficiais.

Marcados com: , ,
Publicado em Ciência Médica     Saúde sexual

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Login

Registrar | Perdeu sua senha?