ZIKA VÍRUS

Colômbia já registra 13.531 casos de zika, atrás apenas do Brasil

As estimativas do Ministério da Saúde indicam que se poderiam apresentar 600 casos de Guillain-Barré e entre 400 e 450 casos de microcefalia vinculadas ao vírus.

  • Foto: Wikimedia CommonsFoto: Wikimedia Commons
Foto: Wikimedia Commons

A Colômbia chegou na primeira semana de janeiro ao número de 13.531 casos de zika, o que a situa como segundo país da América Latina em quantidade de pacientes notificados, atrás apenas do Brasil, informou nesta quarta-feira o Ministério da Saúde e Proteção Social.

“Somos o segundo país depois do Brasil em número de casos reportados neste momento”, declarou em entrevista coletiva o ministro da Saúde, Alejandro Gaviria, que esclareceu, no entanto, que “é difícil” fazer comparações devido às “grandes diferenças” que existem nos países da região quanto a números.

A diretora-geral do Instituto Nacional de Saúde (INS), Martha Lucía Ospina, confirmou que na Colômbia “na primeira semana epidemiológica do ano” se contabilizaram 13.531 casos, dos quais há 1.918 pacientes suspeitos de ter o vírus.

Ospina indicou que há 560 casos de mulheres gestantes, que permanecem sob supervisão médica, e indicou que, até o momento, 106 menores nasceram de mães diagnosticadas com o vírus.

Segundo o titular de Saúde, no país se calcula, a partir dos registros de pacientes tratados no ano passado com chicungunha e pela evolução da zika no Brasil, que este vírus possa chegar aos 600.000 ou 700.000 casos, e, por isso, pediu medidas para evitar a propagação do mosquito transmissor.

Gaviria destacou que “de alguma maneira toda a população colombiana pode estar potencialmente exposta” a se contagiar com a doença e ratificou sua recomendação aos casais do país de “adiar a gravidez”.

“Deveriam considerar adiar a gravidez seis meses, oito meses. Falamos desta forma porque eu acredito que também é uma boa forma de comunicar o risco, de dizer que pode haver consequências graves, mas não estamos em absoluto pedindo que as mulheres não tenham relações sexuais”, esclareceu o ministro.

As autoridades advertiram também para as associações entre a zika e patologias como a microcefalia, referente às crianças cujo cérebro não cresce normalmente, e a síndrome de Guillain-Barré, que se manifesta principalmente em fraqueza muscular ou paralisias, entre outros sintomas.

As estimativas do Ministério da Saúde indicam que se poderiam apresentar 600 casos de Guillain-Barré e entre 400 e 450 casos de microcefalia vinculadas ao vírus.

Publicado em Sem categoria

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

EFEEmprende_BannerV2-2

EFEEmprende_BannerV2-2

A Colômbia chegou na primeira semana de janeiro ao número de 13.531 casos de zika, o que a situa como segundo país da América Latina em quantidade de pacientes notificados, atrás apenas do Brasil, informou nesta quarta-feira o Ministério da Saúde e Proteção Social.

“Somos o segundo país depois do Brasil em número de casos reportados neste momento”, declarou em entrevista coletiva o ministro da Saúde, Alejandro Gaviria, que esclareceu, no entanto, que “é difícil” fazer comparações devido às “grandes diferenças” que existem nos países da região quanto a números.

A diretora-geral do Instituto Nacional de Saúde (INS), Martha Lucía Ospina, confirmou que na Colômbia “na primeira semana epidemiológica do ano” se contabilizaram 13.531 casos, dos quais há 1.918 pacientes suspeitos de ter o vírus.

Ospina indicou que há 560 casos de mulheres gestantes, que permanecem sob supervisão médica, e indicou que, até o momento, 106 menores nasceram de mães diagnosticadas com o vírus.

Segundo o titular de Saúde, no país se calcula, a partir dos registros de pacientes tratados no ano passado com chicungunha e pela evolução da zika no Brasil, que este vírus possa chegar aos 600.000 ou 700.000 casos, e, por isso, pediu medidas para evitar a propagação do mosquito transmissor.

Gaviria destacou que “de alguma maneira toda a população colombiana pode estar potencialmente exposta” a se contagiar com a doença e ratificou sua recomendação aos casais do país de “adiar a gravidez”.

“Deveriam considerar adiar a gravidez seis meses, oito meses. Falamos desta forma porque eu acredito que também é uma boa forma de comunicar o risco, de dizer que pode haver consequências graves, mas não estamos em absoluto pedindo que as mulheres não tenham relações sexuais”, esclareceu o ministro.

As autoridades advertiram também para as associações entre a zika e patologias como a microcefalia, referente às crianças cujo cérebro não cresce normalmente, e a síndrome de Guillain-Barré, que se manifesta principalmente em fraqueza muscular ou paralisias, entre outros sintomas.

As estimativas do Ministério da Saúde indicam que se poderiam apresentar 600 casos de Guillain-Barré e entre 400 e 450 casos de microcefalia vinculadas ao vírus.

Login

Registrar | Perdeu sua senha?