CANADÁ AIDS

Após 12 anos sem medicação, adolescente francesa não mostra rastros de HIV

O Instituto Pasteur, da França, anunciou nesta segunda-feira que uma adolescente infectada com o vírus da imunodeficiência humana (HIV) desde que nasceu passou os últimos 12 anos sem medicação e sem rastros da infecção.

  • mas infoepa000228079 (FILES) A files photograph showing a doctor testing the blood of an AIDS sufferer and HIV carrier in the Sexual Transmitted Desease & AIDS Prevention and Control Centre of Beijing You'an Hospital on 12 May 2004. Recently Chinese state council released a document on China HIV/AIDS Containment, Prevention and Control Action Plan. EPA/-Foto: EPAFoto: EPA
Foto: EPA

O Instituto Pasteur, da França, anunciou nesta segunda-feira que uma adolescente infectada com o vírus da imunodeficiência humana (HIV) desde que nasceu passou os últimos 12 anos sem medicação e sem rastros da infecção.

A jovem, de 18 anos, deixou de tomar remédios antirretrovirais aos seis, conforme explicou hoje na reunião anual da Sociedade Internacional da Aids, realizado na cidade canadense de Vancouver, o cientista espanhol Asier Sáez Cirión, pesquisador do Instituto Pasteur.

Sáez Cirión explicou que o caso da jovem francesa mostra que “é possível conseguir a remissão do HIV a longo prazo em uma criança infectada durante o período pré-natal após interromper o tratamento antirretroviral que começou nos primeiros meses de vida”.

Mas o diretor da Agência Nacional de Pesquisa da Aids da França (ANRS, sigla em francês), Jean François Delfraissy, alertou que a adolescente não está curada.

“Essa remissão não pode ser comparada a uma cura. A jovem segue infectada com o HIV e é impossível prever como sua saúde mudará com o tempo. Mas seu caso constitui um sólido argumento adicional a favor de iniciar o tratamento antirretroviral o mais rápido possível após o nascimento de bebês de mães soropositivas”, comentou.

Sáez Cirión disse em comunicado que “a menina não tem nenhum dos fatores genéticos conhecidos que são associados ao controle natural da infecção”.

“O mais provável é que tenha ficado em remissão virológica durante muito tempo porque recebeu uma combinação de antirretrovirais pouco depois da infecção”, analisou.

Os pesquisadores detalharam que a carga viral da jovem é “quase indetectável” e que sua contagem de células CD4 “permaneceu estável durante este período”.

Já houve casos noticiados de indivíduos infectados com HIV que foram capazes de controlar a infecção sem a necessidade de tomar remédios. O Instituto Pasteur afirmou que este caso é similar “clínica, imunológica e virologicamente aos dos pacientes adultos do estudo ANRS Visconti”.

Nessa pesquisa, os pacientes, após serem submetidos a um tratamento antirretroviral durante três anos, iniciado pouco depois da infecção, foram capazes de controlar a infecção durante uma média de 10 anos sem precisar dos remédios antirretrovirais.

“Os antirretrovirais, iniciados muito cedo, podem limitar a constituição de reservas de HIV e preservar as defesas imunológicas do corpo”, explicaram os cientistas.

Sáez Cirión acrescentou que isso mostra estabelece “o conceito de que a remissão a longo prazo é possível tanto em crianças como em adultos”.

“No entanto, esses casos ainda são muito raros. Um caso similar com uma criança infectada com HIV tratada a tempo foi noticiado nos Estados Unidos (o chamado “bebê Mississipi”), mas a remissão só durou 27 meses depois que o tratamento antirretroviral deixou de ser aplicado”, lembrou Sáez Cirión.

De acordo com o cientista espanhol, “a interrupção do tratamento não é recomendável para adultos e crianças, exceto em testes clínicos”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Login

Registrar | Perdeu sua senha?