ZIKA

Anticorpos abrem possibilidade de vacina contra dengue e zika

Um estudo preliminar das equipes francesa e britânica identificaram anticorpos capazes de neutralizar as quatro formas de vírus da dengue, explicou o CNRS.

  • mas infoACOMPAÑA CRÓNICA: BRASIL ZIKA. BRA66. PIRACICABA (BRASIL), 27/01/2016.- Fotografía de mosquitos modificados genéticamente, este martes, 26 de enero de 2016, en Piracicaba, estado de Sao Paulo (Brasil). Una legión semanal de 800.000 mosquitos transgénicos combate en la ciudad brasileña de Piracicaba el Aedes aegypti, un transmisor del dengue y el zika que ha puesto en jaque a las autoridades sanitarias de Brasil y otros países de Latinoamérica. Los mosquitos transgénicos, cuya comercialización todavía está pendiente de aprobación por parte de los órganos reguladores, se aparejan en libertad con las hembras salvajes y transmiten el "gen letal" a sus descendientes, por lo que la nueva generación de mosquitos muere antes de llegar a la fase adulta, disminuyendo así su población. EFE/Sebastião MoreiraAnticorpos abrem possibilidade de vacina contra dengue e zika
Anticorpos abrem possibilidade de vacina contra dengue e zika

O estudo de anticorpos eficazes no combate ao vírus da dengue também podem ser eficientes, e até com resultados melhores, contra o vírus da zika, abrindo a porta para uma vacina que combata as duas doenças.

A pesquisa de cientistas do Instituto Pasteur e do Centro Nacional Francês de Pesquisa Científica (CNRS), do Imperial College de Londres e da Universidade de Viena, que analisaram como os anticorpos se fixavam de forma idêntica nos vírus da zika e da dengue.

Um estudo preliminar das equipes francesa e britânica identificaram anticorpos capazes de neutralizar as quatro formas de vírus da dengue, explicou o CNRS.

Da mesma família

A dengue e a zika são transmitidos pelo mesmo mosquito, o Aedes aegypti, formam parte da mesma família, a dos flavivírus, e possuem proteínas de cobertura semelhantes, o que fez os cientistas decidirem investigar se anticorpos seriam capazes de neutralizar os dois vírus.

Para isso, selecionaram dois anticorpos que conseguiam deter a proliferação do vírus da dengue e os testaram no da zika. Eles perceberam que um deles atuava inclusive de maneira mais eficiente contra a zika do que contra a dengue.

O diretor do laboratório de virologia do Instituto Pasteur, Félix Rey, considerou “totalmente inesperado” o fato de os dois vírus serem tão próximos, ao ponto de um mesmo anticorpo ser capaz de neutralizar ambos.

Os pesquisadores trabalham agora na identificação do ponto exato de fixação dos anticorpos na zika, e para isso realizaram uma reconstrução em três dimensões do vírus.

Essa etapa mostrou que o ponto de fixação é o mesmo, o que permitirá pensar na produção de una vacina que estimule a geração desses anticorpos para a dengue e a zika.

Rey destacou que esses anticorpos podem proteger mulheres grávidas do vírus da zika. Esse é um ponto de importância especial, pois a Organização Mundial da Saúde (OMS) já encontrou evidência científica da relação entre o contágio com o vírus e o aumento de casos de malformação congênita em recém-nascidos, especialmente microcefalia e a Síndrome de Guillain-Barré.

Marcados com: , ,
Publicado em Doenças e Tratamentos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Login

Registrar | Perdeu sua senha?