VACINA EBOLA

Aliança faz acordo para reserva com 300 mil vacinas em caso de surto de ebola

O compromisso permitirá contar com as 300 mil doses enquanto há avanços nos estudos que ainda são necessários para obter a autorização definitiva das autoridades de regulação sanitária do mundo.

  • Aliança faz acordo para reserva com 300 mil vacinas em caso de surto de ebola
Aliança faz acordo para reserva com 300 mil vacinas em caso de surto de ebola

GAVI, uma aliança público-privada que favorece o acesso às vacinas, e uma subsidiária da farmacêutica Merck anunciaram nesta quarta-feira um acordo que permitirá contar, a partir de maio, com uma reserva de 300 mil vacinas em caso de novo surto de ebola.

Ambas as partes buscam acelerar o procedimento de autorização para a comercialização da vacina, que no caso de qualquer produto farmacêutico requer vários anos.

A GAVI fornecerá US$ 5 milhões para continuar com o desenvolvimento desta vacina experimental, que foi utilizada em testes clínicos durante a epidemia de ebola que terminou recentemente na África Ocidental, depois de ter se propagado pela Guiné, Libéria e Serra Leoa durante dois anos.

O compromisso permitirá contar com as 300 mil doses enquanto há avanços nos estudos que ainda são necessários para obter a autorização definitiva das autoridades de regulação sanitária do mundo.

Espera-se alcançar esse objetivo em dezembro de 2017, disse em entrevista coletiva o diretor-executivo da GAVI, Seth Berkley.

Os testes clínicos maciços com esta vacina foram realizados principalmente na Guiné e contaram com a autorização prévia da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Cerca de 4 mil pessoas foram vacinadas na situação de emergência pela epidemia de ebola, o que permitiu comprovar que a vacina era não só eficaz, mas segura para o ser humano.

Testes mais restringidos foram realizados em Serra Leoa e Libéria, assim como em outros países do mundo que não foram afetados pela epidemia, com grupos de voluntários.

Os estudos indicaram que a eficácia da vacina fica entre 90% e 100%.

“Se surgir um novo surto, o mundo estará preparado porque haverá uma vacina”, declarou à Agência Efe o diretor da organização civil Wellcome Truste, que participou do acordo.

A última epidemia de ebola foi responsável nos três países contaminados um total de 28,6 mil casos e a morte de 11,3 mil pessoas, dos quais vários centenas foram médicos, enfermeiras e pessoal sanitário auxiliar.

Por esta razão, os vacinados durante a epidemia foram prioritariamente o pessoal da área de saúde e o círculo mais próximo dos infectados.

Marcados com: ,
Publicado em Doenças e Tratamentos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Login

Registrar | Perdeu sua senha?