TECNOLOGIA

Abertura de centro tecnológico da GE no Rio confirma nova vocação da cidade

A unidade brasileira será inaugurada dia 13 de novembro em cerimônia que contará com a presença do presidente mundial da empresa. Além de ser o maior parque tecnológico da América Latina, o pólo do Rio de Janeiro é o maior do mundo na área de petróleo e gás.

  • Abertura de centro tecnológico da GE no Rio confirma nova vocação da cidade
  • mas infoACOMPAÑA CRÓNICA: BRASIL TECNOLOGÍA. BRA05. RÍO DE JANEIRO (BRASIL), 02/11/2014.- Fotografía fechada el 31 de octubre que muestra a Daniel Salazar Golding, investigador del Departamento de Mecánica Aplicada de la empresa Tenaris, que opera en el Parque Tecnológico de la Universidad Federal de Río de Janeiro (UFRJ), en Brasil. La inauguración este mes de un centro de investigación y desarrollo de la General Electric (GE), el primero de esta multinacional en América Latina, confirma a este parque tecnológico como uno de los mayores polos de su tipo en el mundo. "La GE es una de las mayores multinacionales del mundo y tendrá en Río de Janeiro un equipo de 160 investigadores dedicado a desarrollar innovaciones en áreas como petróleo y gas, energía, aviación y turbinas", dijo el director del Parque Tecnológico de la UFRJ, Mauricio Guedes. EFE/MARCELO SAYÃOFoto: EFE/MARCELO SAYÃO
Abertura de centro tecnológico da GE no Rio confirma nova vocação da cidade

A inauguração de um centro de pesquisa e desenvolvimento da General Electric (GE), o primeiro da multinacional na América Latina, confirma o status do Parque Tecnológico da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) de um dos maiores pólos do tipo no mundo.

“A GE é uma das maiores multinacionais do mundo e terá no Rio de Janeiro uma equipe de 160 pesquisadores dedicados a desenvolver inovações em áreas como petróleo e gás, energia, aviação e turbinas”, disse à agência Efe o diretor do Parque Tecnológico da UFRJ, Maurício Guedes.

Até agora a GE só tinha unidades de pesquisa em Estados Unidos, Alemanha, China e Índia.

A unidade brasileira será inaugurada dia 13 de novembro em cerimônia que contará com a presença do presidente mundial da empresa. Além de ser o maior parque tecnológico da América Latina, o pólo do Rio de Janeiro é o maior do mundo na área de petróleo e gás.

A unidade da GE é a joia da coroa deste pólo tecnológico de 350 mil metros quadrados, construído no campus da UFRJ e inaugurado em 2003 para estimular a interação entre estudantes e empresas inovadoras.

Próximo dali fica o Centro de Pesquisas (Cenpes) da Petrobras, líder mundial em tecnologias para exploração de petróleo em águas profundas, que ajudou a atrair multinacionais interessadas em se associar à brasileira e a concentrar no Rio várias das unidades de pesquisa e desenvolvimento mais importantes da América Latina.

Com um investimento de perto de R$ 1 bilhão, o Parque Tecnológico já conta com 52 instituições e empresas, incluindo os centros de pesquisa de 12 grandes multinacionais, 26 companhias de inovação e sete grandes laboratórios técnicos.

Trabalham ali 1.947 pesquisadores, 124 com deles com PhD em áreas tecnológicas e 213 com doutorado ou mestrado, e a previsão é que o número de especialistas chegue a três mil em 2017.

“Nosso parque é o único que concentra os centros de pesquisa das três maiores empresas de serviços da área de petróleo no mundo (Halliburton, Schulember e Baker Hughes), e o único no mundo que contará com um centro tecnológico da BG Group (British Gas) fora do Reino Unido”, detalhou Guedes.

A BG Group planeja investir cerca de US$ 2 bilhões pesquisa no Brasil até 2025, já que a lei determina que destine ao desenvolvimento de tecnologias cerca de 1% de seu faturamento no país.

O diretor do parque também destacou a presença de dois importantes fabricantes de canos para o setor de petróleo (Tenaris e Vallourec), de um dos maiores fabricantes de equipamentos submarinos para a área (FMC) e de multinacionais como GE e Siemens.

Mas o pólo também contará com centros de pesquisa de grandes empresas de outras áreas, como a fabricante mundial de cosméticos L’Oréal, a de bebidas AmBev, cujas unidades já estão em construção, e da gigante em tecnologia de informação EMC, que já patenteou inovações desenvolvidas em Rio.

Das empresas já instaladas, 60% têm associação com a Petrobras para o desenvolvimento de novas tecnologias e quase todas têm acordos de cooperação com a UFRJ que somam R$ 56 milhões para o trabalho em inovações.

De acordo com Guedes, o Parque Tecnológico se tornou tão atraente por sua localização no campus da terceira maior universidade brasileira e pela proximidade ao centro de pesquisas da Petrobras.

A GE, por exemplo, pretende aproveitar seu centro de pesquisas no Rio para atender as necessidades de seus grandes clientes no Brasil, como a própria Petrobras e a fabricante de aviões Embraer.

O parque também contará com uma Torre de Inovação com capacidade para cem pequenas e médias empresas inovadoras que podem servir de apoio às multinacionais.

No pólo já operam uma incubadora de empresas tecnológicas e sete grandes laboratórios da UFRJ, entre eles o de Tecnologia Oceânica, cujo tanque para simulações está entre os maiores do mundo. EFE

Marcados com: ,
Publicado em Ciência Médica

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Login

Registrar | Perdeu sua senha?